Facebook Forum Insider Instagram Forum Insider

15 anos do filme "O Diabo Veste Prada"

Nesse ano de 2021, o filme  “O Diabo Veste Prada'' completa 15 anos desde sua estreia em Junho de 2006, nos Estados Unidos. Protagonizado por Meryl Streep no papel da terrível Miranda Priestly e por Anne Hathaway, que interpreta Andy. Miranda é editora chefe da revista fictícia "Runway" e Andy, uma jornalista recém formada que passa a trabalhar na empresa, sediada em Nova Iorque, como assistente de Miranda, que faz exigências absurdas à garota. 

 

Considerado um ícone da moda e dado o sucesso da obra, o elenco se reuniu esse ano através de uma vídeo-chamada, relembrando e celebrando as gravações. Nesse mesmo clima nostálgico, trouxemos aqui para vocês 15 curiosidades para comemorar os 15 anos de “O Diabo Veste Prada''.

 

1. O filme foi baseado em um livro e faz referência a Vogue

 

“The Devil Wears Prada” é o nome do livro de Lauren Weisberger que foi adaptado para as telas e deu origem ao filme. A revista fictícia, “Runway” é na verdade uma alusão a famosa “Vogue”, bem como, Miranda à Anna Wintour, diretora da renomada revista.  Em uma entrevista para a BBC News, Anna diz não ter se sentido ofendida e acredita que tudo que torna a moda divertida e interessante é maravilhoso para a indústria. Ela foi até mesmo para a pré-estreia do filme. 

 

2. Anne Hathaway não foi a primeira cotada para o papel

 

Assistindo ao filme, parece que o papel foi feito para ela, mas, na verdade, outras 8 atrizes foram cotadas antes de Anne, entre elas grandes nomes do cinema como Scarlett Johansson, Natalie Portman e Kate Hudson.  A primeira opção era Rachel McAdams, mas ela negou o convite.

 

3. De uma forma pouco convencional, Anne Hathaway pediu para ser contratada 

 

O Diabo Veste Prada foi produzido pela FOX 2000 e logo após conhecer o vice-presidente executivo da empresa, Anne Hathaway escreveu “me contrata” em uma caixinha de areia zen que o homem possuía em sua mesa.

 

 

4. Meryl Streep foi a primeira e única cotada para o papel 

 

A roteirista e o diretor contaram que eles falavam um pouco sobre a Meryl mas tentavam não sonhar alto demais. Mas para a sorte deles, quando Meryl leu o roteiro, amou o papel e aceitou.

 

 

5. O casting para a atriz de Emily foi exaustivo

 

Ao contrário do papel de Meryl, o processo de seleção de elenco para a personagem Emily foi extenso. Foram 100  audições até a equipe chegar em Emily Blunt, que por coincidência leva o mesmo nome da personagem. Na história original a personagem de Blunt é Norte Americana, mas a atriz é britânica. Porém, isso não foi um impeditivo, a equipe gostou tanto dela que até mudaram a nacionalidade da personagem no roteiro, para não haver nenhuma confusão com o sotaque.

 

6. Saiu um casamento desse set de filmagem

 

A escolha por Emily Blunt foi essencial para que isso acontecesse. Durante as filmagens ela ficou amiga de Stanley Tucci, que interpreta Nigel, a proximidade era tanta que Blunt convidou o amigo para seu casamento com John Krasinski. No evento, Tucci conheceu a irmã de Emily, Felicity Blunt. Eles se aproximaram, a química foi boa e se casaram em 2012.

 

7. Gisele Bündchen e seu envolvimento no filme

 

Todos sabem sobre a participação da modelo brasileira Gisele Bündchen no filme, interpretando Serena, uma funcionária da revista. Mas várias coisas aconteceram nos bastidores. Começando que, por ser um ícone fashion, Gisele foi mencionada no livro original que deu origem ao filme, na história Gisele dá um presente de natal à Miranda. Um tempo depois, nos preparativos do filme, a produtora de elenco queria escalar Gisele para o mesmo papel e ao encontrar, por coincidência, a modelo em um voo, não resistiu e fez o convite, utilizando como argumento a presença da famosa Meryl Streep no elenco. Gisele aceitou, mas fazendo uma condição: ela não queria ser ela mesma, uma modelo. O pedido foi aceito.

 

8. Meryl Streep contou e sentir deprimida ao interpretar Miranda

 

A interpretação de Meryl no filme foi magistral, ela teve liberdade para fazer suas modificações na personagem e criar profundidade à ela. Porém, Meryl disse que optou por utilizar uma técnica de atuação chamada “O Método", que consiste em diversos artifícios para incorporar o personagem e trazer as emoções com mais veracidade. O resultado foi ótimo, Meryl recebeu um Globo de Ouro e uma indicação ao Oscar por sua atuação, mas para ela a experiência não foi muito agradável. Anne Hathaway até conta ter se sentido intimidada por Meryl durante o set, mas ao mesmo tempo cuidada por ela. Anne disse também que em seu primeiro dia ouviu de Meryl: “Que bom você estar no filme, essa vai ser a última coisa legal que vou dizer a você.”.

 

9. Foi um papel desafiador para Anne Hathaway

 

Antes de O Diabo Veste Prada, Anne Hathaway tinha protagonizado, majoritariamente, filmes voltados para crianças. Ela estrelou “O Diário da Princesa” 1 e 2, feitos pela Disney e “Uma Garota Encantada”. Apenas um ano antes de O Diabo Veste Prada participou de “O segredo de Brokeback Mountain'', mas em um papel secundário. Assim, o papel de Andy era um desafio e tanto. Ela contou com a ajuda de Meryl e no fim se saiu muito bem.


10. Miranda é a verdadeira vilã?

 

Com os 15 anos do filme , muitas especulações voltaram à tona e uma delas é: “Será mesmo que Miranda Priestly é a verdadeira vilã do filme?”. Conforme os anos foram passando a mentalidade dos espectadores foi mudando e eles perceberam que se Miranda fosse um homem, seu papel não seria tão assustador como é, já que é mais normalizado homens carrascos em posição de poder. Por isso os olhos do público se voltaram para outro personagem, que passa meio despercebido. Estamos falando de Nate, namorado de Andy. Ele pede constantemente para ela desistir do trabalho, não apoia sua vida profissional e até fica feliz quando Andy está prestes a perder o emprego. Claro que o debate dividiu a internet.

 

11. Foi uma luta conseguir os direitos do livro

Conseguir o direito sobre o livro para poder adaptar para as telas foi uma disputa bem acirrada entre as produtoras. Antes mesmo de chegar nas livrarias, os estúdios já estavam apreensivos. Mas quem conseguiu foi a FOX. A ex-presidente da empresa, Carla Hacken, até contou à Variety: “Eu fui a primeira a ler ele lá na FOX 2000. Eu achei que a Miranda Priestly era a melhor vilã de todos os tempos. Eu lembro que nós buscamos agressivamente o roteiro e o pegamos.”.

 

12. Foram necessários 4 escritores para fazer o roteiro

 

Após conseguir os direitos, a equipe tentou adaptar o livro em roteiro. Mas eles se deram conta que a narrativa não era forte o suficiente para as telas, então todos trabalharam duro e chegaram até a inventar e tirar algumas partes.

 

13. O diretor não gostou do plot inicial

 

David Frankel disse para a revista Elle: “Miranda era uma bruxa e a motivação de Andy era obter sua vingança. Houve muitos conflitos que culminaram com a humilhação de Miranda. Achei que isso não era satisfatório.”. Esse incômodo trouxe várias melhorias ao filme.